Você sabe o que é Kunyaza? Eu te conto tudo sobre essa técnica de masturbação feminina - Mulheres Bem Resolvidas

Se você gostou desse Blog clique no +1:

Você sabe o que é Kunyaza? Eu te conto tudo sobre essa técnica de masturbação feminina

Para muitos, a ejaculação feminina é um dos mistérios sexuais mais intrigantes. Sua veracidade é contestada por sexólogos e até mesmo por mulheres, que acreditam ser algo que exista apenas em filmes pornô.

No entanto, uma técnica com origem em Ruanda, promete fazer as mulheres terem orgasmos espetaculares e literalmente esguichar!

A técnica, conhecida como Kunyaza, consiste em estimular todas as terminações nervosas da vulva com a glande do pênis, com os dedos ou com um dos nossos brinquedos.

Quer saber mais sobre essa novidade? Então leia até o final!

Kunyaza é uma técnica que tem como foco o prazer na mulher. Nessa prática, ela é capaz de alcançar o máximo prazer!
The Gottman Institute

No texto de hoje vamos abordar os seguintes tópicos:

  • No Kunyaza, a mulher é a rainha
  • De onde surgiu  a Kunyaza?
  • Independência e controle
  • Fenômeno comum em Ruanda
  • O que é preciso para fazer a Kunyaza?
  • Vale a pena?

Na Kunyaza, a mulher é a rainha

Nesta prática, o foco do prazer é a mulher. Ela é quem recebe o amor e comunica ao seu parceiro os estímulos e a intensidade dos movimentos que ele deseja receber. Ou seja, é uma ode às mulheres, sua sexualidade e sua excitação.

Enfim, considera-se que com esta prática (generalizada no Ruanda, no Congo, no leste de Uganda e no leste da Tanzânia), a mulher é capaz de alcançar o máximo prazer e até mesmo experimentar a mítica “esguichada”.

É uma técnica muito boa para praticar nas preliminares ou aproveitar uma ou outra pausa no ato sexual e elevar o prazer.

Na Kunyaza, a mulher é a rainha!

De onde surgiu a Kunyaza ?

A palavra Kunyaza vem da língua Rundi e pode ser traduzida como “sexo molhado”.

Isso se deve ao fato de que, segundo os praticantes, a mulher pode chegar a expelir até um litro de líquidos vaginais durante o processo, o que não acontece em outras práticas sexuais.

De acordo com um mito transmitido de geração em geração, durante a terceira dinastia da monarquia ruandesa, o marido da rainha foi para a guerra. Insatisfeita com a sua ausência, ela instruiu um de seus guardas, chamado Kamagere, que fizesse sexo com ela.

Kamagere concordou, mas estava tão nervoso com as possíveis repercussões, que seu corpo tremia incontrolavelmente. Por isso, seu pênis, em vez de penetrar a rainha, esfregou-se contra seus lábios e clitóris. Adivinha? Isso fez a rainha ejacular pela primeira vez.

Após seu retorno, a rainha pediu ao marido que realizasse esse ato sobre ela. A técnica ficou conhecida como Kunyaza e a torrente de líquido ou “água” expelido pela rainha foi chamado de kunyara.

Independência e controle

O mito da rainha é revelador e, em muitos aspectos, surpreendente. Pelo menos do ponto de vista ocidental, em que a ideia de ejaculação feminina permanece envolta em mistério.

A rainha prova ter necessidades, que ela acha satisfatória, demonstrando independência sexual e controle sobre seu corpo.

Embora isso seja muito mais comum hoje em dia, ainda há muitas mulheres em todo o mundo que não têm ou não sentem que têm essa liberdade.

Na Kunyaza, a mulher é a rainha!

Fenômeno comum em Ruanda

A ejaculação feminina não é um fenômeno raro.

Uma pesquisa recente no Reino Unido descobriu que quase 40% das 1.250 mulheres pesquisadas tinham fluido ejaculado no momento do clímax.

Aliás, Ruandeses dizem que é bastante raro encontrar mulheres que não conseguem alcançar a kunyara. Elas são chamadas de mukagatare, um nome depreciativo em Kinyarwanda que significa “mulher-rocha”.

De acordo com Sacred Water (2016), um documentário sobre a prática, o sexólogo Vestine Dusabe estima que 80 ou 90% das mulheres ruandesas ‘têm água’. O que importa é a capacidade do homem de fazer acontecer.

O que é preciso para fazer a Kunyaza?

A chave para praticar a Kunyaza com sucesso é a lubrificação.

Se você quer ter certeza de que, desde o início o contato seja agradável, recomendo que você use um bom lubrificante à base de água. Assim você poderá desfrutar da Kunyaza do começo ao fim.

Veja um passo a passo para ter sucesso:

1. Tocando

O princípio básico é simples e tem sido transmitido de boca em boca nos países da África Central há pelo menos 150 anos. O homem segura o seu pênis e usa a cabeça para bater no clitóris da mulher, nos lábios e na abertura vaginal.

Então, ele pode mover a batida rítmica ao redor da vulva em movimentos circulares ou em ziguezague. A batida pode variar com a fricção, também usando a ponta do pênis.

Por fim, como eu disse no outro tópico, é importante que haja muita lubrificação desde o início, caso contrário, o toque pode ser muito sensível.

Se depois de um tempo o homem se cansar, a mulher pode segurar seu pênis e assumir o controle.

Aliás, as mulheres também, às vezes, ajudam abrindo seus lábios para intensificar a sensação. Se o parceiro masculino fizer isso bem, sua parceira deve conseguir um orgasmo em cerca de cinco minutos.

Kunyaza é uma técnica que tem como foco o prazer na mulher.

2. Versão Avançada

Em uma versão mais avançada da Kunyaza, o homem coloca seu pênis dentro da vagina da mulher, novamente o segura e então o move de um lado para o outro ou gira para estimular a vagina por dentro.

Ele pode variar isso com mais empurrões, entrando e saindo da vagina.

Os movimentos devem ser feitos de maneira lenta e delicada, e podem aumentar progressivamente, levando em conta os desejos da parceira na hora da masturbação.

3. Posição

Na  posição “clássica” da Kunyaza, o homem se senta e a mulher senta em seu colo de frente para ele.

No entanto, alguns casais podem preferir posições “modernas” mais fáceis. Por exemplo, com a mulher deitada de costas e o homem ajoelhado entre as pernas.

4. Squirt

O ato do pênis tocar e balançar a vulva tem efeitos maravilhosos sobre as mulheres!

Por um lado, diz-se que desencadeia um orgasmo após o orgasmo. Mas a principal reputação da Kunyaza é que ela produz ejaculação feminina – faz as mulheres esguicharem.

O nome Kunyaza na verdade significa urinar.

No entanto, não é a urina que as mulheres esguicham de suas vaginas, mas fluidos vaginais leitosos.

Como eu disse antes, a Kunyaza também é conhecida simplesmente como “sexo molhado”. E, por mais que amem, os homens ruandeses aparentemente têm um apelido não muito lisonjeiro para as mulheres que são propensas a esguichar:  shami ryıikivu , que significa “coloque um balde embaixo dela”.

Vale a pena?

Se você está se perguntando se vale a pena experimentar a Kunyaza, eu posso afirmar que sim!

Se o seu parceiro conseguir dominar a técnica, você poderá ejacular de forma espetacular e experimentar múltiplos orgasmos ao mesmo tempo!

Se vocês não conseguirem da primeira vez, não desistam, a prática leva a perfeição! E os dois vão se divertir bastante aperfeiçoando a técnica, até se tornarem experts. 

Também falo sobre masturbação feminina no meu canal do Youtube. Confira!

Gostou do post? Quer ler mais artigos sobre sexualidade? Fique aqui no blog e acompanhe as publicações!

Super beijo!

Gostou desse conteúdo? Compartilhe com suas amigas:

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 avaliações, média: 5,00 de 5)