Fisioterapia pélvica: você sabe qual a diferença do pompoarismo?

Se você gostou desse Blog clique no +1:

Fisioterapia pélvica: você sabe qual a diferença do pompoarismo?

pompoarismo, ou ginástica íntima, vem ganhando cada vez mais adeptos. As mulheres estão se tornando conscientes da importância dos exercícios vaginais, tanto para a saúde quanto para a melhora da vida sexual. Mas muita gente me pergunta se há uma diferença entre fisioterapia pélvica e pompoarismo. Eu posso adiantar que há poucas diferenças entre as duas práticas, porém uma é mais voltada para a vida sexual enquanto a outra é mais voltada para a saúde geral. Ficou curiosa? Então leia esse artigo que eu vou explicar as diferenças!

A principal função da fisioterapia pélvica e do pompoarismo é exercitar o assoalho pélvico para que essa musculatura não perca a força, já que ela é responsável pela sustentação de vários órgãos, pela continência urinária e fecal, e ainda contribui para a qualidade nas relações sexuais. Muitos motivos para não deixar essa região flácida, não é?

No texto de hoje vamos abordar os seguintes tópicos:

  • O que é assoalho pélvico?
  • Porque ele precisa ser trabalhado?
  • Pompoarismo
  • Fisioterapia pélvica
  • O pompoarismo faz parte da fisioterapia pélvica?
  • Qual o melhor para mim?

O que é assoalho pélvico?

O assoalho pélvico é uma estrutura formada por 13 músculos, fáscias e ligamentos que formam uma rede de sustentação e está localizado entre o osso púbis e o cóccix (toda a região da bacia). Esse músculo faz a sustentação dos órgãos localizados na cavidade pélvica: bexiga, reto, órgãos reprodutivos feminino e próstata. É responsável pelas funções sexuais e também está relacionado com o funcionamento dos esfíncteres urinários e anal, ajudando a manter as continências urinária e fecal.

Porque ele precisa ser trabalhado?

Assim como ocorre com outros músculos do corpo, a musculatura do assoalho pélvico sofre traumas durante a gestação, o parto e certas cirurgias. No caso das mulheres, a menopausa bloqueia a liberação de hormônios, como o estrogênio, o que também contribui para a enfraquecimento da região. Há também um processo de envelhecimento natural das fibras musculares que leva à perda do tônus e da capacidade de contração e isso acarreta vários problemas, que geram desconforto e minam autoestima.

Pompoarismo

O pompoarismo, também conhecido como ginástica íntima ou exercício de Kegel, nada mais é do que o movimento controlado dos músculos do assoalho pélvico e do canal vaginal. Essas contrações consistem em “apertar” e “soltar” o músculo repetidas vezes até você ganhar força suficiente para controlar voluntariamente seu canal vaginal.

É  uma técnica que serve para melhorar e aumentar o prazer sexual durante o contato íntimo e permite que seja possível massagear e pressionar o órgão sexual masculino com os músculos das vagina durante o contato íntimo. A técnica utiliza acessórios como as bolas Ben-wa, o cone e o mini-vibrador.

Apesar de ser mais voltado para a melhora da vida sexual, o pompoarismo também traz inúmeros benefícios para a saúde da mulher.Veja alguns deles:

  • Aumento da libido e da lubrificação no canal vaginal
  • Sensação de que a mulher está mais “apertadinha”, pois a gente consegue controlar o músculo como queremos
  • Ajuda no tratamento de anorgasmia (dificuldade em chegar ao orgasmos)
  • Orgasmos múltiplos e ajuda a retardar a ejaculação do parceiro
  • Maior prazer sexual, pois as contrações feitas durante a relação sexual aumentam a estimulação sexual
  • O período menstrual diminui, as cólicas também, assim como alguns sintomas da menopausa (secura vaginal e falta de libido)
  • Auxiliam no pré e pós-parto,  no tratamento da incontinência urinária, combatem a flacidez vaginal, a dispareunia (dor na hora do sexo), o vaginismo
  • Melhoram o funcionamento do intestino
fisioterapia pélvica

Fisioterapia Pélvica

Podemos dizer que a  fisioterapia pélvica é terapêutica e tem como principal objetivo prevenir ou corrigir alterações posturais que possam intervir no funcionamento dos músculos vaginais e dos órgãos da cavidade pélvica, além de ser uma forma de tratamento para incontinência urinária e disfunção sexual. É a busca do reconhecimento da região pélvica, integrando-a como parte do corpo, valorizando a importância da região para a saúde feminina e também para a realização sexual. As sessões são individuais e só ocorrem após avaliação funcional do assoalho pélvico feitas por fisioterapeuta capacitado.

O que previne

A fisioterapia pélvica previne principalmente problemas relacionados ao assoalho pélvico. Quando a musculatura está enfraquecida ou lesionada de forma avançada, algumas disfunções podem se tornar um incômodo para o paciente. As principais disfunções são:

  • Incontinência fecal: é a incapacidade de controlar a eliminação de fezes
  • Prolapsos de órgãos: é a exteriorização de órgãos pelo canal vaginal ou anal. Acontece devido ao enfraquecimento da musculatura do assoalho pélvico e dos ligamentos que tem o papel de sustentar esses órgãos. Os órgãos que geralmente são projetados para fora são bexiga, útero e reto.
  • Disfunção sexual: os transtornos sexuais podem acontecer tanto no homem como na mulher, em uma (ou mais) das três fases que compõem o ciclo de resposta sexual: desejo, excitação e orgasmo. As disfunções sexuais mais frequentes nas mulheres são o vaginismo (contração involuntária dos músculos impossibilitando a penetração), anorgasmia (dificuldade ou incapacidade de atingir o orgasmo), dispareunia (dor durante o ato sexual).
  • Gestação e parto: durante a gravidez, os músculos do assoalho pélvico sofrem uma maior pressão, porque sustentam, além dos órgãos pélvicos, o bebê, e os anexos embrionários.

Como é o tratamento?

O tratamento da fisioterapia pélvica consiste em promover a capacidade de contrair e relaxar adequadamente os músculos do assoalho pélvico, fortalecendo essa musculatura com o intuito de recuperar as funções de continência urinária e fecal; melhora da atividade sexual e sustentação dos órgãos pélvicos.

Os exercícios podem ser feitos com acessórios, como os cones vaginais ou o ben wa – bolinha do pompoarismo – (coordenação motora e propriocepção). Assim também como massagens perineais, recursos de eletroterapia, eletroestimulação e biofeedback. A duração do tratamento varia de acordo com o paciente e suas respostas fisiológicas, assim como a disfunção que ele possui.

fisioterapia pélvica

O pompoarismo faz parte da Fisioterapia Pélvica?

Algumas fisioterapeutas utilizam exercícios de pompoarismo durante o tratamento, principalmente na questão referente às disfunções sexuais. No entanto, os dois tratamentos são independentes entre si.

Qual o melhor para mim?

Não existe contra indicação em nenhum dos casos, qualquer mulher pode praticar pompoarismo ou fisioterapia pélvica em qualquer momento da vida para prevenção dos problemas ou tratamento de alguma disfunção. Avalie as duas opções com um profissional e veja qual se encaixa nas suas necessidades.

Gostou do texto? Já pratica algumas dessas técnicas? Compartilhe sua experiência nos comentários. Vou ter prazer em te responder.

Super beijo!


Faça o download do meu ebook de Pompoarismo e aprenda um passo a passo o exercício hoje mesmo.

Neste guia que virou febre entre as mulheres e já tem mais de 200 mil downloads.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe com suas amigas:

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Nenhuma avaliação)